Como se preparar para o blockchain fiscal?

maio 4, 2022
blockchain fiscal

Não há legislação definitiva sobre o tema no país, mas, com a evolução da economia digital, é preciso que tanto empresas quanto o fisco comecem a se movimentar na direção da tecnologia blockchain.

Um estudo realizado pela consultoria PwC indicou como o blockchain fiscal poderia aprimorar o sistema de tributos de um país. Entre as suas conclusões, está o fato de que a tecnologia poderia ser aplicada em áreas diversas “para diminuir o fardo administrativo e coletar impostos a um custo menor, reduzindo a diferença da cobrança de tributos”. Mas qual a situação do blockchain fiscal no Brasil?

Em maio de 2021, entrou em vigor a Portaria nº 14 da Receita Federal do Brasil (RFB), que trata do compartilhamento de dados não protegidos por sigilo fiscal à administração pública federal em suas várias instâncias. Nela, o artigo 11 estabeleceu a autorização de disponibilização de dados de CPF e CNPJ “por meio de rede permissionada blockchain”.

Em dezembro, uma nova portaria foi publicada, a nº 89 da RFB, que acrescentou um inciso no artigo 11: “Os órgãos e as entidades que ainda não tiverem adotado o mecanismo de compartilhamento de dados previsto no § 2º poderão enviar, até 31 de dezembro de 2021, solicitação de prorrogação do prazo”, que será avaliado pelas autoridades.

O que muda com o Blockchain fiscal?

As publicações da RFB são um primeiro passo dos órgãos fiscais a respeito do blockchain fiscal no Brasil, acendendo sinal de alerta nas companhias para que busquem mais informações sobre o tema.

Não é possível afirmar exatamente o que vai mudar com o blockchain fiscal sem a promulgação das legislações referentes, mas pode se demonstrar algumas vantagens da tecnologia para o fisco e para os contribuintes. De acordo com a PwC, a tecnologia é segura para certos tipos de uso relacionados aos impostos, tais como:

  • Acompanhar onde e quando os tributos foram pagos, reduzindo fraudes;
  • Auxiliando empresas a construir um conjunto de dados para as autoridades, inclusive as de atuação multinacional;
  • Ampliar a confiança e a transparência da relação entre empresas e governos;
  • Reduzir discussões judiciais sobre o tema, já que o registro das informações é imutável e está acessível a ambos;
  • Dar mais visibilidade às micro transações, já que os órgãos fiscais costumam se debruçar sobre os grandes contribuintes, o que pode reduzir a sonegação fiscal;

A própria consultoria aponta que um dos fatores que pode impedir seu uso em larga escala é o fato de ainda haver muito a ser entendido a respeito da tecnologia – além disso, contribuintes menos familiarizados com o blockchain e com o próprio sistema tributário sofrem com essas mudanças.

Mesmo assim, o crescimento da economia compartilhada e digital, que foi impulsionada pela pandemia nos últimos dois anos, levantou muitos questionamentos a respeito do sistema tributário. “Ainda faz sentido as autoridades coletarem impostos como faziam no passado? Em um mundo baseado em transações, não deveria haver uma adaptação?”, questiona a PwC em seu documento.

Confira nosso artigo que mostra 7 vantagens da adoção do blockchain fiscal.

Como ficam os órgãos reguladores?

Conforme a PwC, o blockchain fiscal gera quatro vantagens centrais para os órgãos reguladores: transparência, com possibilidade de rastreio das transações; controle de acesso, restrito aos usuários; segurança de que os dados não serão alterados; informações atualizadas em tempo real. Do ponto de vista dos órgãos fiscais, a tecnologia, se aplicada em larga escala, simplificará a sua atuação.

Isso porque tornará mais fácil e ágil a identificação de obrigações tributárias, assim como o lançamento das informações sobre o pagamento definitivo será feito de forma quase imediata. Como todas as transações são registradas e criptografadas, existe a tendência de um aumento na segurança de todo o sistema tributário – que está sempre passando por mudanças.

É possível que haja mudanças nas normas atuais de controle, deixando-os mais modernos e atualizados, a exemplo do que ocorreu, por exemplo, com a adoção da nota fiscal eletrônica. A NF-e foi uma daquelas mudanças apreciadas por todos os lados (fisco e contribuintes), embora, é claro, tenha gerado certas críticas em sua implantação em razão das alterações de processos já consolidados.

E, assim como a NF-e, o blockchain fiscal parece gerar um consenso de que será benéfico para ambos, embora também gere receio.

Como se preparar para o blockchain fiscal?

Como mencionamos anteriormente, a legislação futura é que vai determinar os detalhes da aplicação do blockchain ao dia a dia das corporações. Apesar dessas incertezas, há cuidados que podem ser comunicados pelas softwares houses a seus clientes para facilitar a implantação no futuro. Veja algumas dicas:

  • Avalie os processos: se for possível, o ideal é que sejam simplificados;
  • Uso de ferramentas na nuvem deve estar familiarizado na companhia;
  • Indique a criação de um departamento de compliance: com o blockchain, o fisco pode ser muito mais minucioso em suas operações. Por isso, o compliance total deve ser buscado;
  • Elimine arquivos duplicados: a adoção de soluções de digitalização de documentos pode ser uma alternativa a ser ofertada.

O blockchain respeita a LGPD?

Há muitos questionamentos se o uso do blockchain estaria dentro do que estabelece a Lei Geral de Proteção de Dados. Em um artigo publicado no site do Serpro, a juíza do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) Renata Barros de Souto Maior Baião afirma que, embora tenha gerado dúvidas, o blockchain parece cumprir os requisitos fundamentais da LGPD.

“A preocupação é legítima e justificável — uma vez efetuado o registro de uma informação na blockchain, tal registro não só é transparente como se torna imutável”, pondera Renata. Segundo a magistrada, o fato de existir a possibilidade de armazenar informações de registro civil via blockchain não abre o precedente de que fiquem acessíveis a qualquer um.

Além dos dados poderem ser criptografados, ele conta com chaves públicas e privadas, conforme a conveniência do titular do dado. Dessa forma, o próprio usuário – a partir do extravio da chave privada – pode tornar o registro praticamente nulo.

“Assim, blockchain apresenta um ambiente relativamente seguro para o armazenamento de informações pessoais e, mais, permite o gerenciamento do dado por meio de seu titular. Veja-se: o registro na rede jamais será modificado. Todavia, poderá tornar-se inacessível, inclusive por escolha do titular ao destruir a chave privada ou o arquivo original”, ressalta.

Em sua avaliação, se os dados forem sensíveis, é possível deixá-los fora do blockchain (off-chain) ou em uma blockchain paralela à principal (sidechain). Seria uma forma de atender aos parâmetros estipulados pela LGPD. “Blockchain ainda é tecnologia nova que se depara com desafios antigos, próprios da internet da informação e, assim, o assunto não se encerra por aqui”, diz a juíza.

O blockchain fiscal é uma tecnologia promissora e parece ser até mesmo esperada tanto pelo fisco quanto pelo contribuinte. A expectativa é que ela contribua para reduzir a complexidade do sistema brasileiro, tornando seu custo mais acessível. Apesar de suas vantagens, ela ainda gera dúvidas e exige preparo dos dois lados para que possa operar de forma definitiva.

Conheça todas as nossas soluções e fale com um de nossos especialistas para tirar as suas dúvidas!

gostou? compartilhe para mais pessoas!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba conteúdos exclusivos!

Queremos saber quais são seus interesses.
Cadastre-se, é rápido e fácil!




    Eu aceito a Política de Privacidade

    Mostrar Aviso

    O que você está procurando?

    Suporte

    Para acessar escolha uma das soluções

    Caso você precise de ajuda ou tenha alguma dúvida, basta acessar o suporte!

    Telegram

    Com que você deseja falar?