Gasolina e luz mais baratas: entenda o projeto que reduz o ICMS cobrado pelos estados

junho 8, 2022
ICMS

Projeto visa limitar alíquota desses itens a 17%, colocando-os como essenciais; atualmente, os valores variam conforme o estado, chegando a 30%.

No ano passado, a energia elétrica subiu 21,21%, enquanto a gasolina acumulou reajuste de 47%. Os aumentos, especialmente nos combustíveis, persistem em 2022, assustando os brasileiros e interferindo diretamente na economia. Os dois insumos afetam diretamente a cadeia produtiva e logística da maioria dos produtos, contribuindo para o aumento da inflação – 12,13% nos últimos 12 meses, conforme o IBGE.

Como medida para combater tanto o aumento da gasolina e da luz e evitar o aumento da inflação, a Câmara Federal aprovou um projeto de lei que define um teto de 17% para o ICMS de combustíveis, energia elétrica, telecomunicações e transporte coletivo. É possível consultar os detalhes da proposta e seu inteiro teor aqui. A proposta segue agora para a aprovação do Senado Federal.

Conforme o texto, a gasolina e a energia elétrica passam a ser consideradas como essenciais, se igualando às áreas de comunicações, gás natural e transporte coletivo. Dessa forma, os estados ficam impedidos de aplicar cotas diferentes de tributos, o que pode ser feito com itens considerados “supérfluos”.

Em uma matéria publicada em seu site, a Câmara Federal mostrou a diferença nos índices cobrados sobre a energia elétrica. Há o caso de Minas Gerais, com alíquota de 30%, enquanto no Mato Grosso há variação de 12 a 17%, dependendo do consumo do usuário. Com a nova legislação, o limite será de 17%, com a mesma regra sendo válida para a gasolina.

Conheça o NDD i-docs e melhore a emissão e o processamento de documentos fiscais. Acesse para saber mais!

O que diz o texto

A principal alteração está na mudança desses dois itens em essenciais:

“Art.18-A Para fins da incidência de impostos sobre a produção, a comercialização, a prestação de serviços ou a importação, os combustíveis, o gás natural, a energia elétrica, as comunicações e o transporte coletivo são considerados bens e serviços essenciais e indispensáveis, não podendo ser tratados como supérfluos.

Parágrafo único. Para efeito do disposto neste artigo:

I – é vedada a fixação de alíquotas sobre as operações referidas no caput em patamar superior ao das operações em geral, considerada a essencialidade dos bens e serviços;

II – é facultado ao ente federativo competente a aplicação de alíquotas reduzidas em relação aos bens referidos no caput, como forma de beneficiar os consumidores em geral;

III – é vedada a fixação de alíquotas de que trata o inciso II, para os combustíveis, a energia elétrica e o gás natural, em percentual superior ao da alíquota vigente quando da publicação desta Lei.”

A estimativa dos apoiadores do projeto é reduzir a conta de luz em cerca de 11%, enquanto a gasolina cairia entre 9 e 12%. Confira outras alterações na legislação fiscal em 2022.

Impacto do ICMS para os estados

Com um placar amplamente favorável na Câmara (403 votos a favor e apenas 10 contra), a medida atinge diretamente os estados, que têm no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) o seu principal tributo – e os municípios em menor escala. Por isso, o projeto estipulou que se as perdas de arrecadação com o ICMS forem superiores a 5%, haverá compensação por parte da União.

Ainda assim, os estados alegam que haveria queda de arrecadação na ordem de R$ 100 bilhões, dada a importância do ICMS. Na argumentação dos parlamentares favoráveis ao projeto, consta o fato de que não haverá interferência para os estados, visto que o ICMS seria arrecadado com o aumento de consumo da população, com a renda excedente das quedas nos preços da gasolina e energia.

Outro fator que pesou foi um aumento da arrecadação dos estados. De acordo com a CNN Brasil, o caixa de estados e municípios alcançou R$ 440 bilhões em fevereiro de 2022, o maior valor desde 2014, quando começou a série histórica. Este número considera o caixa dos 26 estados, do Distrito Federal e de municípios. Trata-se de um crescimento de 20% em relação ao mesmo período de 2021.

Baseado nesse levantamento, os estados passaram a ter um saldo positivo de R$ 2,8 bilhões em 2020 e de R$ 77 bilhões em 2021 – em 2019, era um déficit de R$ 37,5 bilhões.

Assim como outras mudanças na arrecadação de entes municipais, estaduais e federais ou temas ligados à reforma tributária, trata-se de medida com grandes impactos para a administração pública e para os contribuintes. É preciso encontrar um caminho que permita o avanço sem interferir na capacidade de administração do poder público.

 Por que você deve ter o NDD i-docs como parceiro para a inteligência e gestão de documentos fiscais? Saiba mais sobre a solução e suas vantagens!

gostou? compartilhe para mais pessoas!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Receba conteúdos exclusivos!

Queremos saber quais são seus interesses.
Cadastre-se, é rápido e fácil!




    Eu aceito a Política de Privacidade

    Mostrar Aviso

    O que você está procurando?

    Suporte

    Para acessar escolha uma das soluções

    Caso você precise de ajuda ou tenha alguma dúvida, basta acessar o suporte!

    Telegram

    Com que você deseja falar?