Diferenças entre pagamento de pedágio e vale-pedágio

junho 20, 2022

Saiba mais sobre a legislação que existe há 20 anos e nasceu para desonerar o transportador dos custos do pedágio

O vale-pedágio é um benefício que deve ser pago aos prestadores de serviço de transporte, sejam as transportadoras ou os motoristas autônomos. Trata-se de uma legislação instituída em 23 de março de 2001 (Lei 10.209/01). Já o pedágio, consiste na concessão de estradas e rodovias à iniciativa privada mediante um pagamento para o seu uso.

A lei do vale-pedágio nasceu com o propósito de desonerar o transportador dos custos do pedágio. Enquanto o pedágio é bancado pelo motorista, o vale-pedágio é responsabilidade da transportadora ou embarcador, como especifica o texto da lei. Mais importante: o custo não pode ser embutido no valor total do frete, sendo diretamente repassado ao prestador de serviço.

Conforme o artigo 2º da lei especifica, “o valor do vale-pedágio não integra o valor do frete, não será considerado receita operacional ou rendimento tributável, nem constituirá base de incidência de contribuições sociais ou previdenciárias”.

Simplifique a gestão do frete de seu transporte. Saiba mais sobre o NDD Cargo!

Para que serve o pedágio?

O pedágio existe para conceder a gestão das rodovias à iniciativa privada. Em geral, o governo divulga a intenção de licitar um trecho, define o seu modelo de concessão (onde serão as praças de pedágio, valor máximo da tarifa, quais serviços devem ser oferecidos, quais investimentos devem ser realizados e tempo de cessão) até a assinatura do contrato.

Esses trechos podem ser mais ou menos disputados, de acordo com a sua localização, volume médio de tráfego, necessidade de obras, entre outras avaliações feitas pelas empresas. Para as empresas, trata-se de um retorno de longo prazo, visto que muitos dos contratos são amarrados de forma a garantir o maior aporte de recursos em obras já nos primeiros anos, visando beneficiar a população e o setor produtivo.

Em geral, no Brasil, o tempo de duração desses contratos é de 30 anos – e as licitações podem ser realizadas via governo federal ou estadual – confira um infográfico sobre o assunto.

No que consiste o vale-pedágio? 

Sua criação teve um propósito bastante simples: transferir a responsabilidade pelo pagamento dessas taxas ao contratante. Dessa forma, conforme mencionado, o valor do pedágio não pode ser acrescido ao frete e nem ao custo repassado diretamente ao condutor, sendo pago de forma antecipada. 

Além de não integrar o frete, o vale-pedágio também não é considerado receita operacional ou rendimento tributável, nem terá incidência sobre contribuições sociais ou previdenciárias.

De acordo com a legislação, a responsabilidade de quitar essa taxa é do embarcador, que pode ser duas figuras distintas:

  1. O contratante direto do serviço de transporte, sem que seja o proprietário da carga;
  2. Uma transportadora que subcontrata o serviço, geralmente prestado por um autônomo.

Independentemente da modalidade escolhida, o vale-pedágio precisa ser quitado pelo proprietário originário da carga: ou seja, o “contratante do serviço de transporte rodoviário”, conforme determina a lei. 

Como deve ser pago o vale-pedágio? 

Aqui entra outra dúvida comum de muitas transportadoras: como devo efetuar o pagamento do vale-pedágio ao motorista? É importante ressaltar, portanto, que não pode ser feito em dinheiro vivo, até por questões de segurança no deslocamento nas rodovias. 

Em geral, usam-se os cartões para o caminhoneiro (no qual é abastecido o valor correspondente aos pedágios), cupons ou pagamentos automáticos – sensores normalmente instalados nos vidros que garantem a passagem direta pelas cabines. Saiba mais detalhes sobre cada um nesse artigo.

Quais as penalidades?

Em caso de descumprimento do vale-pedágio, o infrator – a transportadora ou o embarcador – estará sujeito à aplicação de multa administrativa, no valor de R$ 550,00. A penalidade pode ser aplicada ao embarcador por não efetuar o pagamento ou não registrá-lo no documento de embarque, assim como à concessionária (caso não aceite o pagamento pelos formatos estipulados por lei).

A fiscalização e acompanhamento dessas situações fica sob responsabilidade da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que pode atuar com base em monitoramentos normais ou por meio de denúncias.

Controle o pagamento de pedágio e abastecimento de sua frota direto por um aplicativo. Converse com um especialista para saber mais sobre nossas soluções!

gostou? compartilhe para mais pessoas!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Receba conteúdos exclusivos!

Queremos saber quais são seus interesses.
Cadastre-se, é rápido e fácil!




    Eu aceito a Política de Privacidade

    Mostrar Aviso

    O que você está procurando?

    Suporte

    Para acessar escolha uma das soluções

    Caso você precise de ajuda ou tenha alguma dúvida, basta acessar o suporte!

    Telegram

    Com que você deseja falar?