Compliance Fiscal – MG e RS extinguem ICMS em deslocamento de matriz para filial

setembro 21, 2022
Compliance Fiscal

Ações já eram ajuizadas questionando a exigibilidade do tributo dentro do próprio Estado

ICMS: Deslocamento de matriz para filial

A questão do deslocamento de mercadorias entre matriz e filial é uma prática logística necessária na rotina operacional das empresas. Contudo, havia o questionamento sobre a incidência de fato gerador de ICMS, uma vez que a lei traz que “o fato gerador do ICMS é o momento da saída da mercadoria da empresa ou o início da prestação do serviço”.

Em regra, a simples ação de tirar a mercadoria de uma matriz e enviá-la para uma filial, dentro do mesmo Estado, não deveria ativar a incidência do tributo.

Neste sentido, a Associação Nacional dos Contribuintes de Tributos (ANCT) moveu um Mandado de Segurança Coletivo protegendo esta prática. Veja mais detalhes a seguir.

ANCT

A Associação Nacional dos Contribuintes de Tributos impetrou um Mandado de Segurança Coletivo, argumentando que:

“é incabível a incidência do ICMS em operações de transferência de mercadorias entre filiais, visto que não caracterizam a circulação de mercadorias pois não há transferência de propriedade”

A ação teve parecer favorável e trouxe uma segurança jurídica e um alívio fiscal para as empresas nos Estados de Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Esta decisão deve movimentar outras empresas a questionarem outros entes da federação no mesmo sentido.

Sefaz MG

Na análise dos autos, o juiz ponderou que “em situações que uma empresa transfere bens a outro estabelecimento seu, como ocorreu in casu, os mesmos não circulam economicamente, ocorrendo somente a sua transferência física dentro de uma mesma empresa.”

Ainda sobre a sentença, o juiz considerou que “se viabilize a emissão das notas fiscais necessárias para o transporte, sem as condicionar ao recolhimento do imposto, abstendo-se de realizar qualquer ato coercitivo ao pagamento do tributo, como a retenção de mercadorias, inscrição em dívida ativa, cancelamento de benefícios fiscais, execuções fiscais e afins, possibilitando os filiados da impetrante de lançarem o montante do crédito de ICMS em sua conta gráfica-crédito escritura.”

Sefaz RS

“Segundo a juíza de direito Marialice Camargo Bianchi, não há hipótese de incidência para justificar a cobrança do ICMS nos fatos concretos em que ocorre a mera movimentação de bens entre estabelecimentos do mesmo contribuinte, sem qualquer circulação de mercadorias, sob pena de afronta às disposições constitucionais.”

ICMS

A Constituição Federal, em seu art. 155, inciso II, confere aos Estados-membros e ao Distrito Federal a competência para instituir Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços.

Com esse entendimento as Sefaz do RS e MG estão proibidas de exigir a cobrança de ICMS nas operações de transferência de mercadorias, sendo assim, o ICMS deverá ser cobrado quando ocorrer a transferência de titularidade das mercadorias.

O que é ICMS e quando pode ser cobrado?

Fonte:  Portal Contábil / ANCT

NDD Space - Documentos fiscais nfs-e

gostou? compartilhe para mais pessoas!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba conteúdos exclusivos!

Queremos saber quais são seus interesses.
Cadastre-se, é rápido e fácil!




    Eu aceito a Política de Privacidade

    Mostrar Aviso

    O que você está procurando?

    Suporte

    Para acessar escolha uma das soluções

    Caso você precise de ajuda ou tenha alguma dúvida, basta acessar o suporte!

    Telegram

    Com que você deseja falar?