CT-e, MDF-e, CIOT: o que são essas siglas e onde utilizá-las

setembro 3, 2019
cte_mdfe_ciot_o_que_são_essas_siglas_e_onde_são_utilizadas

Olá, me chamo Ricardo do Canto Mazzochi, e trago aqui a continuidade sobre nossa conversa com o tema: Documentos Eletrônicos de Transporte. Hoje, vim para explicar um pouco melhor sobre aquelas siglas que vimos no post anterior, bem como onde e quando elas são geradas de fato.

Um ponto importante de ser mencionado é que: embora não faça parte do processo de transporte em si, a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) é o fator gerador de qualquer transporte. É a partir dela que passa existir a necessidade de um transporte que, por sua vez, passa também a exigir o documento sobre esse processo.

Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e)

Esse é, talvez, o mais conhecido e usual de todos. Em outras palavras, podemos dizer que ele nada mais é que uma NOTA FISCAL ELETRÔNICA que formaliza a prestação de serviço de transporte de cargas interestaduais e intermunicipais. Ele é regulado pela SEFAZ, e nasce a partir da menção de uma ou mais NF-e’s.

Para muitos, o CT-e representa uma verdadeira evolução na desburocratização dos documentos nas operações. Antes do CT-e, cada meio de transporte possuía seu próprio documento fiscal (aéreo, aquaviário, dutoviário, ferroviário ou rodoviário).

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e)

Assim como o CT-e, o MDF-e também é regulado pela SEFAZ e é utilizado por empresas que prestam serviço de transporte em operações com mais de um CT-e, ou pelas demais empresas nas operações, onde são utilizados veículos próprios, arrendados ou de terceiros.

A principal finalidade do MDF-e é agilizar o registro em lote de documentos fiscais em trânsito e identificar a unidade de carga utilizada e demais características do transporte.

CIOT e o Pagamento Eletrônico de Frete

Por fim, o CIOT é o meio pelo qual é formalizada a contratação de Transportadores Terceiros (e Equiparados), onde são descritos os meios de pagamento entre a Contratante e o Transportador.

O CIOT é uma espécie de CONTRATO, que formaliza assim o meio de pagamento, a forma de pagamento e a operação de transporte em si (onde começa e onde termina a prestação de serviço), substituindo o documento antigamente usado como Carta Frete.

Como falado em nosso primeiro post, com a adesão desses documentos no nosso cotidiano, o FISCO passou a ter mais poder nos processos de auditoria e autuação em cima de cada operação, podendo rastreá-la em qualquer momento.

Em nosso próximo post, vou falar um pouco sobre os números e estatísticas de autuação em cima desses documentos, mostrando o quão importante é tê-los em dia com sua empresa.

Até lá!

gostou? compartilhe para mais pessoas!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Receba conteúdos exclusivos!

Queremos saber quais são seus interesses.
Cadastre-se, é rápido e fácil!




    Eu aceito a Política de Privacidade

    Mostrar Aviso

    O que você está procurando?

    Suporte

    Para acessar escolha uma das soluções

    Caso você precise de ajuda ou tenha alguma dúvida, basta acessar o suporte!

    Telegram

    Com que você deseja falar?