O que é a Tadat e qual o seu impacto nos fiscos estaduais

janeiro 25, 2022
o que é tadat

Metodologia apoiada pelo Banco Mundial, o TADAT visa padronizar o desempenho da administração tributária e encontrar caminhos para facilitá-la, incluindo a realização de reformas 

Uma das grandes dificuldades da administração pública é ser assertiva no levantamento de recursos que serão usados ao longo do ano. Na teoria, parece simples: estima-se quanto o estado vai arrecadar em impostos e, a partir desse dado, torna-se mais simples de planejar o que vai ser realizado ao longo do ano, seja em investimentos ou apenas na oferta de serviços à população. 

Diante dessa realidade, foi desenvolvida a Tax Administration Diagnostic Assesment Tool, conhecida como Tadat. A ferramenta se baseia em nove indicadores de performance, cobrindo as áreas mais críticas relacionadas à administração fiscal. Entre essas métricas, encontram-se integridade da base fiscal, administração de riscos, contabilidade e transparência, compliance, entre outros. 

Essa iniciativa global visa apoiar reformas fiscais em países, tendo inúmeras entidades globais como apoiadores, caso do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI), que contribuíram para a criação da metodologia. A Tadat é adotada por diversas entidades governamentais e internacionais ao redor do globo, visando gerar uma padronização da atuação da administração tributária. 

Seus objetivos são: 

  • Identificar pontos fortes e fraquezas nos sistemas, processos e instituições que administram os impostos; 
  • Facilitar uma visão das condições desse sistema para os stakeholders, como autoridades nacionais e organizações internacionais; 
  • Discutir reformas, incluindo objetivos, prioridades, iniciativas e sequência de implementação; 
  • Facilitar a administração e a coordenação do suporte externo para reformas, tornando sua implementação mais rápida e eficiente; 
  • Monitorar e avaliar o progresso das reformas, conforme análises repetidas. 

A complexidade brasileira: o papel dos estados 

Em tese, a Tadat é uma ferramenta para ser adotada pelos órgãos fiscais nacionais. Não à toa, a metodologia é a base para países de primeiro mundo, como Alemanha, Noruega, Suíça, Inglaterra e Japão. No Brasil, porém, a administração tributária está dividida em três entes: os governos federal, estadual e municipal. 

Essa complexidade da legislação tributária interfere diretamente no ambiente de negócios do país. Como já mostramos em alguns artigos, esse custo é projetado em R$ 181 bilhões por ano, considerando sistemas, equipamentos e pessoal. Na prática, essa situação afeta a competitividade do setor produtivo brasileiro em um mundo globalizado e aumenta o custo dos produtos e serviços oferecidos no país. 

Mas a culpa está longe de ser só do governo federal. Como os estados abocanham um dos principais tributos arrecadados no país, o ICMS, eles têm papel importante sob o ponto de vista fiscal, com suas próprias despesas a serem quitadas e investimentos a serem realizados. Diferentes pesquisas já mostraram que o ICMS representa cerca de um quinto (20%) de tudo que é arrecadado no país. 

Buscando a assertividade 

Com o diagnóstico obtido pela Tadat, torna-se mais simples para os estados entenderem as suas próprias limitações e serem mais assertivos em seus processos e serviços. Não à toa, Alagoas, em dezembro de 2017, e o Distrito Federal, em dezembro de 2018, já realizaram relatórios de avaliação de desempenho nessa metodologia. Ambos os documentos podem ser conferidos no site da instituição neste link

Mas qual a situação dessa metodologia hoje no Brasil? Já existem estados usando como referência? Sua lógica é simples: aumentar o diálogo e a transparência entre contribuintes e fisco, visando o desenvolvimento de um ambiente de negócios mais eficiente e positivo, reduzindo os riscos de “calotes” e adotando uma postura mais de orientação e menos de fiscalização. 

Explica-se: para a administração pública, o bom relacionamento é importante, pois faz com que os recursos previstos ao ano, sejam, de fato, recebidos. E, além disso, torna a área mais atraente para a formalização de negócios, fazendo uma classificação conforme o histórico de pagamentos e risco fiscal: beneficiando os bons pagadores e punindo os sonegadores. 

Listamos três iniciativas brasileiras com esse princípio: 

tadat

1 – Programa Pai d’égua – Ceará 

A iniciativa incentiva os contribuintes a assumirem uma maior responsabilidade em relação aos aspectos fiscais, focando na autorregularização e autoconformidade tributária. O objetivo é tornar a relação entre empresas e o fisco mais transparente, aumentando o diálogo e a comunicação. 

A expectativa do governo cearense é que “ao conceder um tratamento diferenciado aos contribuintes que cumprem regularmente as obrigações tributárias, a Secretaria da Fazenda pretende promover a justiça fiscal e melhorar o ambiente de negócios no estado”. 

Os dois pilares da iniciativa são o relacionamento e o fortalecimento da confiança: o primeiro visa dar mais transparência e facilidade na relação, e o segundo foca em dar o tratamento tributário conforme a categoria do contribuinte. Nesse caso, há orientação para os interessados em cumprirem as regras, com fiscalizações e punições para aqueles que estão à margem da lei. 

Saiba mais sobre o programa. 

2 – Nos conformes – São Paulo 

O programa “Nos Conformes” estimula a conformidade tributária, criando as condições necessárias para um ambiente de confiança recíproca entre a Secretaria da Fazenda e os contribuintes. A iniciativa visa reduzir os custos para os contribuintes, aperfeiçoar a comunicação com o fisco e melhorar a qualidade da tributação. 

São cinco princípios norteadores: 

1) Simplificação do sistema tributário estadual; 

2) Boa-fé e previsibilidade de condutas; 

3) Segurança jurídica; 

4) Publicidade e transparência; 

5) Concorrência leal entre os agentes econômicos; 

Dessa forma, cria-se um sistema de classificação de contribuintes, conforme o seu relacionamento com o fisco e o cumprimento de obrigações. 

3 – Contribuinte Arretado – Alagoas 

Seguindo os mesmos princípios e objetivos das iniciativas dos estados do Ceará e de São Paulo, o Programa Contribuinte Arretado defende a regularidade tributária dos contribuintes, recebendo, como compensação, um ambiente de negócios favorável por parte da administração tributária. 

A iniciativa tem três premissas: 

1) diminuição do tempo gasto pelos contribuintes no cumprimento das obrigações tributárias; 

2) simplificação da relação fisco-contribuinte; 

3) participação de contribuintes e organizações privadas na construção de soluções. 

O principal diferencial do programa é a criação de um sistema classificatório, que se baseia na regularidade do contribuinte. Quanto maior a conformidade tributárias, menores as chances de penalização. 

É possível dizer que o pagamento de tributos é uma espécie de pacto coletivo, que pode gerar círculos viciosos ou virtuosos. Se as companhias deixam de quitar seus tributos, a administração pública sofre com a falta de recursos para cumprir com as suas obrigações, despendendo tempo e recursos para realizar fiscalizações voltadas à recuperação dessa verba, o que não ocorre em casos de conformidade fiscal. 

gostou? compartilhe para mais pessoas!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Receba conteúdos exclusivos!

Queremos saber quais são seus interesses.
Cadastre-se, é rápido e fácil!




    Eu aceito a Política de Privacidade

    Mostrar Aviso

    O que você está procurando?

    Suporte

    Para acessar escolha uma das soluções

    Caso você precise de ajuda ou tenha alguma dúvida, basta acessar o suporte!

    Telegram

    Com que você deseja falar?