O que é NFC-e?

setembro 30, 2021
o que é nfc-e caixa

Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica documenta as operações comerciais de venda presencial ou eletrônica ao consumidor final 

A Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica (NFC-e) é um documento eletrônico, que integra o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped). Ela substitui as notas fiscais de venda ao consumidor.  

A NFC-e faz parte do movimento do governo de informatizar a emissão de documentos fiscais e realizar a comunicação de cada venda, em uma relação direta com as secretarias da Fazenda estaduais. 

Apesar da semelhança entre os nomes e as nomenclaturas, NFC-e e NF-e são documentos distintos. 

Veja: 

A NF-e é a versão digital da nota fiscal física, registrando venda ou faturamento de produtos e o recolhimento de seus impostos. Já a NFC-e documenta as operações comerciais de venda presencial ou de entrega em domicílio ao consumidor final, como explica o site do Sped

Com a NFC-e, a companhia – normalmente ligada ao varejo – efetua a comunicação com as secretarias de Fazenda em cada venda realizada. O consumidor, por sua vez, recebe o espelho desta transação impresso, conhecido como Danfe-NFCe. Nele, é possível consultar o que foi adquirido. Além disso, o documento conta com um QR Code, que permite consultar no sistema aquela operação comercial. 

Todas as empresas que operam no atacado e varejo precisam emitir a NFC-e. Assim como em outras mudanças, a legislação foi adaptada por cada estado, com calendários próprios, tema que vamos abordar em breve no blog.  

Em geral, segue-se um calendário peculiar: 

– Define-se que a adoção da NFC-e é compulsória para novos contribuintes; 

– Na sequência, torna-se mandatória para organizações com receita bruta superior a R$ 100 milhões; 

– Depois, a obrigatoriedade vai sendo ampliada para outras faixas de faturamento: entre R$ 15 e R$ 100 milhões; R$ 4,5 milhões e R$ 15 milhões; e receita bruta inferior a R$ 4,5 milhões e demais contribuintes. 

Chamada: Automatize a gestão de documentos fiscais de forma simples e torne o seu negócio mais inteligente. 

Quais os motivos por trás da implantação da NFC-e? 

caixa o que é nfc-e

A digitalização das informações e a comunicação imediata de negócios ao fisco visam dois objetivos em especial: mais agilidade para repassar informações e melhoria da fiscalização no combate à sonegação. 

Mesmo com os sistemas permitindo maior cruzamento de dados, as estimativas são de que o Brasil deixe de arrecadar R$ 417 bilhões em impostos todos os anos, de acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT). A projeção é que o faturamento não declarado pelas empresas chegue a R$ 2,33 trilhões por ano. 

Apesar dos números chamarem a atenção, o porcentual de sonegação fiscal praticado é cada vez menor. Em 2002, a média era de 32% — ou seja, quase R$ 1 a cada R$ 3 deixava de ser arrecadado pelo estado. Em 2019, esse índice foi de 15%, uma consequência direta do maior poder de monitoramento do fisco com as informações prestadas de forma virtual. 

Como é feita a emissão da NFC-e? 

A NFC-e é um documento totalmente eletrônico – sua versão em papel não tem validade fiscal. Por isso, as empresas precisam ter o cuidado necessário na gestão de documentos fiscais, já que esses dados precisam ser preservados por, pelo menos, cinco anos. 

Para fazer a emissão e a comunicação de dados com as secretarias de Fazenda, há alguns requisitos: 

– Inscrição Estadual ativa; 

– Computador conectado à internet; 

– Impressora não fiscal; 

– Certificado Digital de Pessoa Jurídica; 

– Credenciamento na Sefaz e autorização para emissão. 

– Software que emita a NFC-e. 

Em relação à tecnologia, as companhias precisam buscar soluções existentes no mercado, visto que as secretarias da Fazenda estaduais não costumam fornecer ferramentas próprias. 

Aliás, cada Sefaz pode estipular requisitos próprios para autorizar a emissão, o que aumenta a exigência de companhias que operam em mais de um estado. A situação é semelhante à da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e), de atribuição municipal, como mostramos neste artigo

No entanto, não há necessidade de mais de uma autorização para cada unidade operacional de negócio. A partir do momento em que houver a liberação, as demais unidades poderão replicar o sistema, seguindo os critérios definidos. 

E se a internet cair? 

Como estamos falando de um serviço digital, a empresa poderá realizar o processo em ambiente off-line, sem a autorização do fisco, em caso de problemas técnicos ou operacionais. No entanto, será necessário transmitir a informação à Sefaz em, no máximo, 24 horas após a venda a fim de evitar problemas. 

Quer garantir a emissão de NFC-e de forma simples? Fale com um de nossos consultores. 

gostou? compartilhe para mais pessoas!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba conteúdos exclusivos!

Queremos saber quais são seus interesses.
Cadastre-se, é rápido e fácil!




    Eu aceito a Política de Privacidade

    Mostrar Aviso

    O que você está procurando?

    Suporte

    Para acessar escolha uma das soluções

    Caso você precise de ajuda ou tenha alguma dúvida, basta acessar o suporte!

    Telegram

    Com que você deseja falar?